segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Faculdade, a quanto obrigas.

Best friends, but not forever.

Há momentos em que nos sentimos sozinhos, e outros em que, simplesmente, preferíamos estar. Era exactamente essa a minha vontade naquele dia, isolar-me de tudo e de todos. A conversa era séria e as emoções estavam à flor da pele. À medida que a conversa se desenrolava ia-me sentindo cada vez mais tensa. As lágrimas que lhe escorriam pela face gelavam-me por dentro. Por mais discussões que pudéssemos vir a ter, aquela era a primeira. Ela era a minha melhor amiga e aquele viria a ser um dos piores dias da minha vida. Nunca eu me senti tão magoada, tão derrotada, tão… fraca. Mal sabia que, naquele momento, era o fim de uma grande amizade. E tudo por causa dele. 

- Porquê? Porque o escolheste a ele? Logo ele… - balbuciava, entre soluços - tu melhor que ninguém sabes o que sinto. 

Não respondi… não fui capaz de responder. Na verdade, ela tinha razão. Mas será que podemos conciliar o coração com a razão? Será que havia escolha? Sentia-me tão mal por ele me fazer sentir tão bem. E, hoje que olho para trás, será que ele valeu a zanga? Não, não valeu. Dele já nada sei e, dela tenho saudades.



E sim, isto é um trabalho para a faculdade. Era suposto descrever um episódio em que a comunicação tenha afectado, positiva ou negativamente, a nossa vida em termos emocionais. Optei pela ficção.

4 comentários:

Silvia Santiago. disse...

gostei do texto! :)

Inês de Carvalho disse...

olha, quase que nos podia descrever a nós, love you (L)

Sara Gonçalves disse...

sim, um grande senhor da música portuguesa, sem sombra de dúvida *.*
gostei do teu texto (:

Princesa do nada disse...

=) Belo texto, bela escrita!
Os meus parabéns.. por momentos estava a viver de facto a história!
Beijinho *